quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

DÍZIMOS E OFERTAS- LIÇÃO 09



Texto áureo: “Cada um contribua segundo propôs no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama o que dá com alegria” (2 Co 9. 7).

Palavra chave: Dizimo, décima parte de tudo aquilo que é devolvido ao Senhor, quer em dinheiro, quer em produtos ou bens.


A lição de hoje tem como objetivo estudar um tema muito conhecido e ainda tratado de forma equivocada por alguns. As distorções provenientes da Teologia da Prosperidade comprometem as práticas bíblicas de o crente ofertar e dizimar para a Obra do Senhor.


A “casa do tesoura”  em Malaquias 3. 10, era uma parte do Templo que era armazenado  grãos e outros alimentos entregue como dízimo. Os sacerdotes viviam dessas ofertas. Precisamos também dar do muito que Deus te nos concedido, a fim de sustentar aqueles que servem a Deus e ministram as necessidades espirituais de outras pessoas.


Em 2 Coríntios 9. 6-8, nós encontramos algumas características da contribuição cristã.

1.       Liberalmente.  (v. 6). Como incentivo a contribuição liberal, o apóstolo vincula com a lei de semear e ceifar. O dar abençoa quem dá. “Cada flor que você planta ao longo do caminho de outrem, derrama a sua fragrância sobre você”. No Antigo Testamento, a entrega do dízimo obedecia a uma lei. Todo israelita tinha a obrigação de entregar o seu dízimo na casa do  Senhor (Dt 14. 22). O dízimo, mas que uma regra a ser obedecida, é o princípio de gratidão, fé e obediência. O doador o faz porque reconhece o senhorio de Deus sobre suas finanças.

    2.       Com boa vontade. “Cada um contribua com o que propôs no seu coração”. O doador generoso é movido pelo impulso bondoso do seu coração e por princípios profundos, e não pelas ferroadas de sua consciência ou pelo desejo de parecer generoso aos olhos dos outros. Muitas pessoas contribuem sob a influência de um apelo comovente, mas têm pena de sua própria generosidade logo que dão o dinheiro.
   3.       Com alegria. “Não com tristeza ou por necessidade”. Aquele que contribui com alegria considera que o contribuir é um prazer, e não algo doloroso; gosta de dar, e sente-se triste quando não tem nada para ofertar. Há, porém, aqueles que se separam das suas ofertas com quem está dando o seu sangue vital. Aquele que dá relutantemente não está dando. O maior dos ensinadores gregos recusou permitir que o título “liberal” fosse dado ao homem que dava grandes somas sem sentir nisto prazer nenhum. “A dor que ele sente comprova que gostaria mais de ficar com o dinheiro do que praticar o ato nobre. A boa disposição naquele que dá aumenta o valor da dádiva”.

Conclusão: A generosidade requerida por Paulo não se constitui em atitudes vazias ou meras formalidades sociais. Ninguém o faz por foça de uma lei ou preceitos, mas sim por gratidão ao Senhor, por fidelidade e reconhecimento, As ofertas devem ser espontânea, de coração aberto e sem avareza.


Bíbliografia: Lições Bíblicas da Escola Dominical, 1º Trimestre de 2010, 1º Trimestre de 2011 (CPAD). Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal (CPAD). Epístolas Paulinas, Myer Pearlman (CPAD).

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

21 Batizados com Espírito Santo no Encerramento do Congresso da UJAADEV

A Assembléia de Deus em Viçosa-AL liderada pelo Pr. Donizete Inácio, realizou durante os quatros dia do carnaval o 5º Congresso da União de Jovens e Adolescentes da Assembléia de Deus em Viçosa-AL (UJAADEV).

O congresso teve início no sábado às 19hrs, Pr. Josivaldo da AD de Cajueiro-AL foi o preletor da noite de abertura do congresso, a União de Jovens Vasos De Bençãos de Cajueiro-AL esteve louvando a Deus, junto com o Grande Departamento de Jovens e Adolescentes da UJAADEV.

No domingo a tarde a União de Jovens da AD de Inhapi-AL esteve louvando a Deus e o Pr. Josué Cardoso de Blumenau-SC esteve ministrando o primeiro estudo bíblico do congresso em Gn 21. 18. A noite estiveram louvando o Departamento jovem El Shady da AD de Inhapi-AL e o grande Departamento de Jovens e Adolescentes da UJAADEV.   Pr. Josué Cardoso ministrou em 1 Pe 2. 9.

Na segunda-feira durante a tarde, esteve louvando durante estudo bíblico o Departamento Jovem Brilho Celeste da AD de Campo Alegre-AL e o grande Departamento de Jovens e Adolescentes da UJAADEV. O estudo bíblico foi ministrado pelo Pr. Alex Guerra de Gravataí-RS. A noite, esteve louvando a Deus a mocidade da AD de Campo Alegre-AL e o grande Departamento de Jovens e Adolescentes da UJAADEV. Pr. Alex Guerra de Gravataí-RS ministrou a Palavra de Deus em Lc 10. 30.


No encerramento do congresso na terça-feira a tarde, estiveram louvando a Deus o Departamento de senhoras Porta Voz da Esperança (local), Departamento de Senhores Arautos do Rei (local), Departamento de Jovens e Adolescentes da UJAADEV, Grupo de Percussão Filhas de Sião (local) e o Departamento Jovem da Assembléia de Deus de Nova Cohab de Maceió-AL. Com tema:  "Jovens Transformado em um mundo conformado" o Pr. Daniel Silva de Feira Grande-AL, ministrou o estudo bíblico em Rm 12. 2; 2 Co 3. 18. "Devemos reconhecer que o presente sistema mundano é mau, devemos: 1º Romper e 2º Renunciar."

A noite com tema: 4 Passos Para o Despertar do Verdadeiro Avivamento. Pr. Daniel Silva ministrou a Palavra de Deus em 2 Cr 7. 14, e disse a toda igreja que, neste texto temos uma proposta de Deus para mudar o mundo.

Ao final da mensagem os jovens que ainda não tinha recebido a promessa do batismo com Espírito Santo foram chamados a frente para receber a promessa, 21 pessoas receberam o batismo com Espírito Santo.


Pr. Donizete agradeceu a todos os jovens e adolescentes pelo empenho e dedicação, e agradeceu a todos os irmão que oraram e contribuíram para a realização de mais este congresso.
  



Banda Som de Adoradores




Magna vocalista da Banda Som de Adoradores da AD Viçosa-AL




 União de Jovens Beth Shalon da AD Nova Cohab Maceió-AL




Vocalista da União de Jovens Beth Shalon da AD Nova Cohab Maceió-AL




 Irmãs Madalena e Viviane Reis 




 Pr. Donizete Inácio da AD Viçosa-AL e Pr. Daniel Silva da AD Feira Gradnde-AL 




 Diretoria da UJAADEV- União de Jovens e Adolescentes da Assembléia de Deus em Viçosa-AL




 Irmã Jeane Coordenadora Da Mocidade da AD Viçosa-AL 




 David Vice Coordenador da Mocidade de Viçosa-AL




A glória de Deus tomou conta dos obreiros no púlpito 




Jovens sendo revestidos de poder 




21 são batizados durante o encerramento do congresso da UJAADEV




Muita glória durante ministração da Palavra de Deus pelo Pr. Daniel Silva

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

ENCERRAMENTO DO CONGRESSO DA UNIÃO DE JOVENS E ADOLESCENTES DA ASSEMBLÉIA DE DEUS EM VIÇOSA-AL

TARDE DE ESTUDO BÍBLICO NO ÚLTIMO DIA DO CONGRESSO DA UJAADEV. ESTIVERAM LOUVANDO A DEUS O CONJUNTO DE SENHORAS PORTA VOZ DA ESPERANÇA (LOCAL), CONJUNTO DE SENHORES ARAUTOS DO REI (LOCAL), DEPARTAMENTO DE JOVENS E ADOLESCENTES DA UJAADEV (LOCAL) O CONJUNTO DE PERCUSSÃO FILHAS DE SIÃO (LOCAL) E O DEPARTAMENTO DE JOVENS DA ASSEMBLÉIA DE DEUS DE NOVA COHAB DE MACEIÓ-AL. Pr. DANIEL SILVA DA ASSEMBLÉIA DE DEUS DE FEIRA GRANDE-AL ESTEVE NOS TRAZENDO O ESTUDO DA PALAVRA DE DEUS EM ROMANOS 12. 2 E 2 CORINTIOS 3. 18, FALOU A TODA IGREJA QUE DEVEMOS RECONHECER QUE O PRESENTE SISTEMA MUNDANO É MAU. E QUE DEVEMOS ROMPER E RENUNCIAR, NÃO PODE HAVER MISTURA COM O MUNDO. HOJE ÀS 19 HORAS TEREMOS O ENCERRAMENTO DO CONGRESSO DA UJAADEV.




DEPARTAMENTO JOVEM DE NOVA COHAB, MACEIÓ-AL




4 PESSOAS FORAM BATIZADAS COM ESPÍRITO SANTO
5º CONGRESSO DA UNIÃO DE JOVENS E ADOLESCENTES DA ASSEMBLÉIA DE DEUS EM VIÇOSA-AL (UJAADEV) 2012. ENCERRAMENTO HOJE COM O Pr. DANIEL SILVA  DE FEIRA GRANDE . DUVIDO VOCÊ PERDER! VAI SER UMA BENÇÃO! A TARDE ÀS 15 HORAS E A NOITE ÀS 19 HORAS.



3º DIA DO CONGRESSO DA UJAADEV

3ª NOITE DO 5º CONGRESSO DE JOVENS E ADOLESCENTES DA ASSEMBLÉIA DE DEUS EM VIÇOSA SEGUE COM DEUS OPERANDO DE MANEIRA GLORIOSA NO MEIO DE SEU POVO. NA NOITE DESTA SEGUNDA-FEIRA O Pr. ALEX GUERRA DE GRAVATAÍ-RS, PREGOU EM LUCAS 10. 30-35, QUE CONTA A PARÁBOLA DO BOM SAMARITANO. ESTIVERAM LOUVANDO A DEUS O DEPARTAMENTO JOVEM DE MONTE ALEGRE-AL E O CANTOR CLEYTON SILVA DE CAMPINA GRANDE-PB. NESTA TERÇA-FEIRA O CONGRESSO DA UJAADEV, REALIZARÁ O ENCERRAMENTO DA FESTIVIDADE ÀS 14.30 hrs COM ESTUDO BÍBLICO E A NOITE ÀS 19 hrs, O GRANDE CULTO DE ENCERRAMENTO DO CONGRESSO. ESTARÁ NOS TRAZENDO A MENSAGEM DA PALAVRA DE DEUS O PASTOR DANIEL SILVA.



 Pr.ALEX GUERRA DE GRAVATAÍ-RS



DEPARTAMENTO JOVEM DE CAMPO ALEGRE-AL



CANTOR CLEYTON SILVA DE CAMPINA GRANDE-PB


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Tarde de Vitória no Templo da Assembléia de Deus em Viçosa-AL

Na tarde desta segunda-feira Deus se fez presente durante estudo da Palavra de Deus ministrado pelo Pr. Alex Guerra de Gravataí - RS. Deus falou poderosamente através de sua Palavra, o Pr. Alex fez a leitura no Evangelho de lucas 7. 36-47 que fala da pecadora que ungiu os pés de Jesus.  O Departamento de Jovens da Assembléia de Deus da cidade de Monte Alegre-AL esteve presente abrilhantando a festividade.
A noite estaremos mais uma vez reunidos para mais um grande culto no templo central da Assembléia de Deus em Viçosa-AL.


Departamento Jovem Brilho Celeste de Campo Alegre-AL 

 Pr. Donizete apresenta o irmão Adonias sendo apresentado para igreja para o batismo no dia 11 de março durante os 75 anos da Assembleia de Deus em Viçosa-AL



Pr. Alex Guerra de Gravatái-RS

5º Congresso da União de Jovens e Adolescentes da Assembléia de Deus em Viçosa-AL

Deus tem derramado de sua glória durante o 5º Congresso da União de Jovens e Adolescentes da Assembléia de Deus em Viçosa-AL, no domingo a tarde estivemos reunidos no templo central participando de mais um estudo da Palavra de Deus ministrado pelo Pr. Josué Cardoso de Blumenau-SC. A noite Deus operou de maneira gloriosa derramando de sua graça sobre a vida de todos aqueles que estiveram presente ao culto, Pr. Josué Cardoso ministrou a mensagem da Palavra de Deus. No louvor estiveram conosco o Departamento Jovem El Shaday  da cidade de Inhapi-AL, o grande departamento de jovens e adolescente de Viçosa (UJAADEV). A festividade terá continuidade hoje às 15 horas com estudo da Palavra de Deus e a noite às 19 horas com mais um grande culto.


                                    

  Departamento Jovem da cidade de Inhapi-AL




                                       
Pr. Donizete Inácio de Viçosa-AL e Pr. Josué Cardoso de Blumenau-SC

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Tarde de vitória durante estudo bíblico na AD Viçosa-AL

Tarde de muitas bençãos durante a tarde deste domingo no templo central da Assembléia de Deus em Viçosa-AL, durante o estudo da Palavra de Deus ministrado pelo Pr. Josué Cardoso de Blumenal-SC. A noite às 19 horas estaremos mais uma vez reunidos para glória de Deus. Pr. Josué Cardoso estará trazendo a mensagem da Palavra de Deus. Estiveram louvando o Departamento de Jovens El Shaday de Inhapi-AL, grande departamento de jovens e adolescentes, Departamento de Senhoras (local) e Departamento de Senhores (local) .  

Departamento de Jovens El Shaday de Inhapi-AL


 Pr. Donizete Inácio de Melo, pastor da Assembléia de Deus em Viçosa-AL 


 Departamento de Senhoras Portas Voz da Esperança da Assembléia de Deus em Viçosa-AL


 Departamento de Senhores Araltos do Rei da Assembléia de Deus em Viçosa-AL


Pr. Josué Cardoso de Blumenal-SC

1º dia do 5º Congresso de Jovens e Adolescentes



A Igreja Assembleia de Deus de Viçosa-AL está em festa, é o 5º congresso de jovens e Adolescentes, o tema do congresso este ano é: “Jovens Transformados Num Mundo Conformado” (Romanos 12. 2). Neste sábado aconteceu a abertura no Templo Central na Rua Frederico Maia 49, centro. A festividade neste sábado contou com a participação  do Departamento Jovem Vasos de Bençãos de Cajueiro-AL e do Pr. Josivaldo de Cajueiro-AL que foi o preletor.

Hoje a tarde às 14 horas teremos estudo bíblico com o Pr. Josué Cardoso de SP, e a noite às 19 horas o segundo dia da festividade. foi impactante a mensagem do Pastor Josivaldo do município de Cajueiro-AL, uma pessoa aceitou Jesus como seu salvador. 

A coordenação do evento agradeceu a todos pela participação neste sábado e convidou a todos para estarem presente durante os próximos três dias. Pr. Donizete desafiou a igreja a convidar pessoas amigas para estar participando do congresso. 



Pr. Donizete Inácio e Pr. Josivaldo de Cajueiro-AL


 David vice coordenador da mocidade


 Pr. Donizete apresenta jovens para o batismo dos 75 anos da Assembléia de Deus em Viçosa a ser realizado no mês de março 2012.


 Pr. Donizete apresenta jovens para o batismo dos 75 anos da Assembléia de Deus em Viçosa a ser realizado no mês de março 2012.

 Grande Departamento de jovens e adolescentes (UJAADEV) se apresentando durante a abertura do 5º Congresso de Jovens e adolescentes
Pr. Josivaldo de Cajueiro-AL, foi o preletor da noite deste sábado. 

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

HISTÓRIA DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL


A história da Escola Dominical
 Por Ruth Doris Lemos:
Sentado a sua mesa de trabalho num domingo em outubro de 1780 o dedicado jornalista Robert Raikes procurava concentrar-se sobre o editorial que escrevia para o jornal de Gloucester, de propriedade de seu pai. Foi difícil para ele fixar a sua atenção sobre o que estava escrevendo pois os gritos e palavrões das crianças que brincavam na rua, debaixo da sua janela, interrompiam constantemente os seus pensamentos. Quando as brigas tornaram-se acaloradas e as ameaças agressivas, Raikes julgou ser necessário ir à janela e protestar do comportamento das crianças. Todos se acalmaram por poucos minutos, mas logo voltaram às suas brigas e gritos. 


Robert Raikes contemplou o quadro em sua frente; enquanto escrevia mais um editorial pedindo reforma no sistema carcerário. Ele conclamava as autoridades sobre a necessidade de recuperar os encarcerados, reabilitando-os através de estudo, cursos, aulas e algo útil enquanto cumpriam suas penas, para que ao saírem da prisão pudessem achar empregos honestos e tornarem-se cidadãos de valor na comunidade. Levantando seus olhos por um momento, começou a pensar sobre o destino das crianças de rua; pequeninos sendo criados sem qualquer estudo que pudesse lhes dar um futuro diferente daquele dos seus pais. Se continuassem dessa maneira, muitos certamente entrariam no caminho do vício, da violência e do crime. 


A cidade de Gloucester, no Centro-Oeste da Inglaterra, era um pólo industrial com grandes fábricas de têxteis. Raikes sabia que as crianças trabalhavam nas fábricas ao lado dos seus pais, de sol a sol, seis dias por semana. Enquanto os pais descansavam no domingo, do trabalho árduo da semana, as crianças ficavam abandonadas nas ruas buscando seus próprios interesses. Tomavam conta das ruas e praças, brincando, brigando, perturbando o silêncio do sagrado domingo com seu barulho. Naquele tempo não havia escolas públicas na Inglaterra, apenas escolas particulares, privilégio das classes mais abastadas que podiam pagar os custos altos. Assim, as crianças pobres ficaram sem estudar; trabalhando todos os dias nas fábricas, menos aos domingos. 


Raikes sentiu-se atribulado no seu espírito ao ver tantas crianças desafortunadas crescendo desta maneira; sem dúvida, ao atingir a maioridade, muitas delas cairiam no mundo do crime. O que ele poderia fazer?


Por um futuro melhor
Sentado a sua mesa, e meditando sobre esta situação, um plano nasceu na sua mente. Ele resolveu fazer algo para as crianças pobres, que pudesse mudar seu viver, e garantir-lhes um futuro melhor! Pondo ao lado seu editorial sobre reformas nas prisões, ele começou a escrever sobre as crianças pobres que trabalhavam nas fábricas, sem oportunidade para estudar e se preparar para uma vida melhor. Quanto mais ele escrevia, mais sentia-se empolgado com seu plano de ajudar as crianças. Ele resolveu neste primeiro editorial somente chamar atenção à condição deplorável dos pequeninos, e no próximo ele apresentaria uma solução que estava tomando forma na sua mente. 


Quando leram seu editorial, houve alguns que sentiram pena das crianças, outros que acharam que o jornal deveria se preocupar com assuntos mais importantes do que crianças, sobretudo, filhos dos operários pobres! Mas Robert Raikes tinha um sonho e este estava enchendo seu coração e seus pensamentos cada vez mais! No editorial seguinte, expôs seu plano de começar aulas de alfabetização, linguagem, gramática, matemática, e religião para as crianças, durante algumas horas de domingo. Fez um apelo, através do jornal, para mulheres com preparo intelectual e dispostas a ajudar-lhes neste projeto, dando aulas nos seus lares. Dias depois um sacerdote anglicano indicou professoras da sua paróquia para o trabalho. 


O entusiasmo das crianças era comovente e contagiante. Algumas não aceitaram trocar a sua liberdade de domingo, por ficar sentadas na sala de aula, mas eventualmente todos estavam aprendendo a ler, escrever e fazer as somas de aritmética. As histórias e lições bíblicas eram os momentos mais esperados e gostosos de todo o currículo. Em pouco tempo, as crianças aprenderam não somente da Bíblia, mas lições de moral, ética, e educação religiosa. Era uma verdadeira educação cristã. 


Robert Raikes, este grande homem de visão humanitária, não somente fazia campanhas através de seu jornal para angariar doações de material escolar, mas também agasalhos, roupas, sapatos para as crianças pobres, bem como mantimentos para preparar-lhes um bom almoço aos domingos. Ele foi visto freqüentemente acompanhado de seu fiel servo, andando sob a neve, com sua lanterna nas noites frias de inverno. Raikes fazia isto nos redutos mais pobres da cidade para levar agasalho e alimento para crianças de rua que morreriam de frio se ninguém cuidasse delas; conduzindo-as para sua casa, até encontrar um lar para elas. 


As crianças se reuniam nas praças, ruas e em casas particulares. Robert Raikes pagava um pequeno salário às professoras que necessitavam, outras pagavam suas despesas do seu próprio bolso. Havia, também, algumas pessoas altruistas da cidade, que contribuíam para este nobre esforço. 


Movimento mundial 
No começo Raikes encontrou resistência ao seu trabalho, entre aqueles que ele menos esperava - os líderes das igrejas. Achavam que ele estava profanando o domingo sagrado e profanando as suas igrejas com as crianças ainda não comportadas. Havia nestas alturas algumas igrejas que estavam abrindo as suas portas para classes bíblicas dominicais, vendo o efeito salutar que estas tinham sobre as crianças e jovens da cidade. Grandes homens da igreja, tais como João Wesley, o fundador do metodismo, logo ingressaram entusiasticamente na obra de Raikes, julgando-a ser um dos trabalhos mais eficientes para o ensino da Bíblia. 


As classes bíblicas começaram a se propagar rapidamente por cidades vizinhas e, finalmente, para todo o país. Quatro anos após a fundação, a Escola Dominical já tinha mais de 250 mil alunos, e quando Robert Raikes faleceu em 1811, já havia na Escola Dominical 400 mil alunos matriculados. 


A primeira Associação da Escola Dominical foi fundada na Inglaterra em 1785, e no mesmo ano, a União das Escolas Dominicais foi fundada nos Estados Unidos. Embora o trabalho tivesse começado em 1780, a organização da Escola Dominical em caráter permanente, data de 1782. No dia 3 de novembro de 1783 é celebrada a data de fundação da Escola Dominical. Entre as igrejas protestantes, a Metodista se destaca como a pioneira da obra de educação religiosa. Em grande parte, esta visão se deve ao seu dinâmico fundador João Wesley, que viu o potencial espiritual da Escola Dominical e logo a incorporou ao grande movimento sob sua liderança. 


A Escola Bíblica Dominical surgiu no Brasil em 1855, em Petrópolis (RJ). O jovem casal de missionários escoceses, Robert e Sarah Kalley, chegou ao Brasil naquele ano e logo instalou uma escola para ensinar a Bíblia para as crianças e jovens daquela região. A primeira aula foi realizada no domingo, 19 de agosto de 1855. Somente cinco participaram, mas Sarah, contente com “pequenos começos”, contou a história de Jonas, mais com gestos,do que palavras, porque estava só começando a aprender o português. Ela viu tantas crianças pelas ruas que seu coração almejava ganhá-las para Jesus. A semente do Evangelho foi plantada em solo fértil. 


Com o passar do tempo, aumentou tanto o número de pessoas estudando a Bíblia, que o missionário Kalley iniciou aulas para jovens e adultos. Vendo o crescimento, os Kalleys resolveram mudar para o Rio de Janeiro, para dar uma continuidade melhor ao trabalho e aumentar o alcance do mesmo. Este humilde começo de aulas bíblicas dominicais deu início à Igreja Evangélica Congregacional no Brasil. 


No mundo há muitas coisas que pessoas sinceras e humanitárias fazem sem pensar ou imaginar a extensão de influência que seus atos podem ter. Certamente, Robert Raikes nunca imaginou que as simples aulas que ele começou entre crianças pobres e analfabetas da sua cidade, no interior da Inglaterra, iriam crescer para ser um grande movimento mundial. Hoje, a Escola Dominical conta com mais de 60 milhões de alunos matriculados, em mais de 500 mil igrejas protestantes no mundo. É a minúscula semente de mostarda plantada e regada, que cresceu para ser uma grande árvore cujos galhos estendem-se ao redor do globo. 

Ruth Dorris Lemos é missionária norte-americana em atividade no Brasil, jornalista, professora de Teologia e uma das fundadoras do Instituto Bíblico da Assembleia de Deus (IBAD), em Pindamonhangaba (SP)

O PERIGO DE QUERER BARGANHAR COM DEUS – LIÇÃO 0


Texto áureo: “Que darei eu ao Senhor por todos os benefícios que me tem feito”


Palavra Chave
 barganha: tentar negociar ou trocar com Deus a fim de obter algum benefício.


Introdução: No coração de todos aqueles que receberam a salvação da parte de Cristo Jesus, flui a gratidão. Eles a expressam pelo seu amor, lealdade, vida santa, ação de graças e a firme determinação de obedecer ao Senhor. Nesta lição, veremos que o desejo de se barganhar com Deus é algo totalmente reprovável, pois contraria todos os princípios da Palavra de Deus.


Em Mateus 4. 1-11, nos fala da tentação de Jesus, nesta narrativa, dois agentes invisíveis preparam-se para um grande confronto. Enquanto o Espírito Santo transportava Jesus para o lugar da tentação, encontra-se já o adversário para tentar o Senhor. A tentação estava no propósito de Deus. O senhor muitas vezes permite que sejamos tentados para que o seu nome seja enaltecido e Satanás, derrotado. Para o nosso próprio bem somos submetidos a tentação, embora pareça-nos contraditório. Não foi, por acaso, o que aconteceu com Jó.


Poderia a segunda pessoa da Trindade ser tentada?  Como Filho do homem, Jesus tinha alma passível a tentação e corpo sujeito a fome e canseira. Afinal, assumira Ele a forma humana; revestira-se de carne para enfrentar batalhas, não para viver de forma contemplativa.
Nessa condição, o Senhor Jesus “como nós em tudo foi tentado” (Hb 4. 15). Na Palavra de Deus nós encontramos a história do patriarca Jó que não precisou barganhar com Deus para ser abençoado. O livro de Jô lida com a pergunta do século: “se Deus é justo e amoroso, por que permite que um homem justo tal como Jó, sofra tanto?” Sobre esse assunto o livro revela as seguintes verdades:

1.    Satanás, como adversário de Deus, teve a permissão para provar a autenticidade da fé de um homem justo, por meio da aflição, mas graças a Deus triunfou sobre o sofrimento, porque Jó permaneceu firme e constante na fé, mesmo quando não parecia ter qualquer proveito ser fiel  Deus.

2.    Deus lida com situações demais elevada para a plena compreensão da mente humana, Jó 37. 5 diz: “Com a sua voz troveja Deus maravilhosamente; faz grandes coisa que nós não compreendemos”.

3.    A verdadeira base da fé acha-se, não nas bênçãos de Deus, nem em circunstâncias pessoais, nem em teses formuladas pelo intelecto, mas na revelação do próprio Deus.
4.    Deus, às vezes, permite que Satanás prove os justos mediante contra tempos, a fim de purificar sua fé e vida, assim como o ouro é refinado pelo fogo, em Jó 23. 10 diz: “Mas Ele sabe o meu caminho; prova-me, e serei como o ouro”. Tal provação resulta em uma maior integridade espiritual e humildade do povo (Jó 42. 1-10).

5.    Embora os métodos de Deus agir, às vezes, pareçam contraditórios e cruéis (conforme o próprio Jó pensava) ver-se-á, no fim, que Ele é plenamente compassivo e misericordioso. Tiago 5. 11 nos diz: “Eis que temos por bem-aventurados os que sofrem. Ouviste qual foi a paciência de Jó e viste o fim que o Senhor lhe deu; Porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso”. A palavra aqui “paciência” seria melhor interpretada por “perseverança” ou “resistência”. É perseverar em meio a todas as provações, sem perder a fé em Deus. Essa paciência brota de uma fé que triunfa até o fim entre sofrimento.


Conclusão: Não podemos cair na tentação de barganhar com Deus. Isto por uma razão bastante simples: nada temos de valor para propor uma troca e muito menos o direito de assim proceder. Isaias 64. 6 afirma que até os nossos mais exaltados atos de justiça não passam de trapos de imundícias diante dEle. Esta passagem não quer dizer que Deus nos rejeitará se nós formos até Ele com fé, nem que Ele despreza nossos esforços para agradá-lo. Na verdade, ela significa que se implorarmos a sua aprovação, baseado unicamente em nossa “boa” conduta, Deus responderá que a nossa justiça não é mais que trapo de imundos, quando comparada à sua infinita justiça. Esta passagem destina-se principalmente às pessoas que não se arrependem, e não aos seguidores de Deus.        

Márcio Andrade

BIBLIOGRAFIA: Lição EBD 1º Trimestre 2011 (CPAD), Bíblia de Estudo Pentecostal (CPAD), Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal (CPAD).

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012


“TUDO POSSO NAQUELE QUE ME FORTALECE” LIÇÃO 07
Texto Áureo: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece” (Fl 4. 13).

Introdução: Paulo escreveu a igreja de Filipos quando estava preso em Roma. Ele queria agradecer aos crentes filipenses pela oferta generosa que eles haviam enviado. O apóstolo dos gentios estava passando pro um momento difícil, todavia, ele confortava os irmãos mostrando que durante seu ministério aprendeu tanto a ter fartura quanto a padecer necessidades.


Ele enfrentou “muitas tribulações” ao servir a Deus. Aqueles que se dedicam a Cristo como Senhor, e que um dia entrarão nos Reino do céu, hão de sofrer “muitas tribulações” ao longo do seu caminho. Em Atos 14. 22 o apóstolo Paulo nos diz: “...pois que por muitas tribulações nos importa entrar no Reino de Deus”. A vida verdadeiramente cristã é uma contínua batalha contra os poderes do mal. Os que são fieis a Cristo, à sua Palavra aos caminhos de justiça, terão problemas e aflições neste mundo. Somente o “crente” morno ou de meio termo viverá em paz com esse mundo. Nossa esperança não consiste nesta vida, nem neste mundo, mas no aparecimento do seu Salvador para levá-lo para si.


Foi afligido no “espírito”, por causa do pecado dominante na sociedade. Em Atos 17. 16, nós encontramos Paulo afligido no “espírito”, por causa do pecado dominante na sociedade, a Palavra de Deus aqui diz que o espírito de Paulo se comovia em si mesmo, vendo a cidade tão entregue a idolatria. Paulo ficou indignado e contristado, seu espírito se comovia vendo o povo perdido e precisando de salvação. Paulo aqui revelou a mesma atitude de Jesus ante o pecado e a sua obra destrutiva. Uma atitude de ira santa contra o pecado e sua imoralidade deve ser comum a todos que têm o Espírito de Cristo.  


Derramou muitas lágrimas. Em 2 Coríntios 2. 4, o apóstolo Paulo diz que derramou muitas lágrimas, este texto nos revela uma das qualificações essenciais do ministro do evangelho, que é um coração amoroso e sensível e que se angustia e chora ao ver o povo de Deus desviando-se do caminho reto e voltando a envolver-se com o pecado e engano.

Angustia de espírito, por causa do pecado tolerado dentro da igreja. Em 2 Coríntios 2. 1-3, a frase: “Não ir mais ter convosco em tristeza” indica que o apóstolo Paulo já havia feito uma viagem difícil a Corinto, desde a fundação da igreja. Paulo havia ido até lá para lidar com aqueles irmãos que estavam atacando e minando sua autoridade como apóstolo de Cristo, e desde modo confundindo os demais crentes.


Tribulações “por fora e por dentro”, por causa de seu compromisso  com a pureza moral e a doutrina da igreja. Em 2 Coríntios 7. 5, nós vemos mais uma vez que a experiência de Paulo nos relembra que problemas exteriores podem ocorrer ao crente verdadeiramente dedicado nascido de novo.

Sofreu três naufrágios e foi apedrejado. Em 2 Coríntios 11. 25, nós lemos que o apóstolo Paulo sofreu três naufrágios, três açoites, foi apedrejado, passou uma noite e um dia no abismo. Até este ponto, Paulo provavelmente tenha feito ao menos oito ou nove viagens.


Conclusão: Paulo podia viver com alegria porque compreendia a vida sob o ponto de vista de Deus. O apóstolo se concentrava naquilo que era sua obrigação fazer, e não naquilo que pensava que deveria ter. Paulo se afastava daquilo que não era essencial para poder se concentrar naquilo que é eterno.

Será que realmente podemos fazer tudo? O poder que recebemos com nossa união com Cristo será suficiente para fazermos sua vontade e enfrentarmos os desafios que surgirem devido ao nosso compromisso. Ele não nos outorga uma capacidade sobre-humana para realizarmos tudo que podemos imaginar, sem nos preocupar com os interesses divinos. 

sábado, 4 de fevereiro de 2012

A Fé Cristã


Texto: Hebreus 11
Introdução: A fé é, sem dúvida, a força motora da vida cristã. é o que certo teólogo disse: “O combustível da carruagem cristã”. É pela fé que estamos vivendo e caminhando para Sião. É pela fé que estamos vencendo cada dia e pela fé em Jesus somo mais que vencedores. É sobre este palpitante assunto que iremos meditar.

         

 I. O QUE É A FÉ?
1.    É o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das soias que não se vêem (v. 1).
a)    O Firme fundamento.
Fundamento aqui significa muito mais que a mera certeza humana, fruto da lógica. Na visão cristã, tem o sentido de certeza inabalável, ou seja, temos convicção de que servimos a um Deus onipotente, onisciente e onipresente que como diz em Jeremias 1. 12 ,”que vela por sua Palavra para cumprir.” Assim, a certeza é o primeiro elemento essencial da verdadeira fé, isto é, “a fé que é por Ele” ( At 3. 16)
b)    Das coisas que se esperam.
O segundo elemento essencial da fé é a esperança. Esta é ligada na forte convicção de que aquilo que se espera da parte de Deus a de acontecer sempre, independente das circunstâncias. Abraão creu que teria um filho segundo a promessa divina, fruto de sua união com Sara.
c.   A prova das coisas que não se vêem.
      A “prova” tem significado de “convicção” que é o terceiro elemento da fé. Aqui temos um ponto muito importante a considerar. Aqui fala das coisas de Deus, “os bens futuros” Hebreus 9. 11 “Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação.” A crentes que se utilizam desta passagem, iludidos pelos seus corações, acham que podem aplicar esse texto a qualquer coisa. “Eu creio que Deus vai me dá um carro novo, e uma bela casa”. Isso é desejo e não uma promessa de Deus. Pode torna-se real ou não. É algo condicional e circunstancial.  

2.    É o bom testemunho alcançado pelos antigos (v. 2).
Tais personagens viram de longe as promessas de Deus, e morreram crendo no cumprimento delas. Deus considera esses heróis como pessoas “dos quais o mundo não era digno” exemplos de fé a ser seguidos por nós.

3.    É o meio de agradar a Deus (v. 6).
Este versículo nos mostra que devemos crer na existência de um Deus pessoal, infinito e santo, que tem cuidado de nós. Devemos crer que Ele nos galardoará quando buscarmos com sinceridade, sabendo que nosso maior galardão é a alegria e a presença do nosso próprio Deus, Ele é o nosso escudo e a nossa grande recompensa.


II.   AS CARACTERISTICAS DA FÉ
1.    É pela fé que recebemos a chamada divina e obedecemos, como fez Abraão (VV. 8-10).
A fé e a obediência são inseparáveis entre si, assim como também são inseparáveis a incredulidade e a desobediência. Abraão serve de exemplo a todo povo de Deus; devemos reconhecer que estamos apenas de passagem neste mundo, caminhando para nosso verdadeiro lar no céu. Não devemos pensar em segurança plena neste mundo, nem ficar fascinado por ele. O fim de nossa peregrinação será uma pátria melhor, a Jerusalém celestial e a cidade permanente. Aleluia!

2.    É pela fé que somos abençoados, tal como Isaque abençoou a Jacó, e Jacó a seus filhos e os de José (VV. 20, 21).
Isaque foi o filho que foi prometido a Abraão e Sara em sua velhice, foi através de Isaque que Deus cumpriu suas promessas de, no final, da a Abraão incontáveis descendentes. Isaque teve filhos gêmeos, Esaú e Jacó. E Deus escolheu o mais novo Jacó, para dar continuidade ao cumprimento de sua promessa a Abraão. Mesmo quando Jacó estava morrendo em uma terra estranha, ele creu na promessa de que os descendentes de Abraão seriam como a areia da praia.


III.   A RECOMPENSA DA FÉ
1.    Uns são provados:
a.    Sendo torturados (v. 35)
Vivemos em um mundo maligno, cheio de sofrimento, até mesmo para os crentes. Mas Deus ainda está no controle. Ele permite que alguns cristãos se tornem mártires da fé, e permite que outros sobrevivam à perseguição.  
b.    Padecendo necessidades, passaram aflições e foram maltratados (v. 35 - 37).
Na luta pela fé, foram açoitados, apedrejados, preços, aflitos, torturados e mortos: “não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição

2.    Outros são aprovados:
a.    Passando pelo Mar Vermelho a pés enxutos, sem serem afogados (v. 29).
A libertação do povo de Israel aqui foi muito gloriosa. Pela fé passaram pelo Mar Vermelho em terra seca; e aqui nos descobrimos que, a graça da fé nos ajuda em todos os perigos que encontramos no caminho para o céu. Através da fé nós poderemos ver todos os nossos inimigos morrerem afogados, como os egípcios morrem tentando seguir o povo de Deus. No adianta! Quando Deus julga, Ele vence; e está claro que a destruição dos pecadores é devido a eles mesmos.

b.    Fazendo cair os muros de Jericó (v. 30).
Foi dada a ordem que ele rodeassem a cidade uma vez por dia durante sete dias, e sete vezes no último dia, depois deveria tocar as trombetas e após o povo deveria gritar, e os muros de Jericó cairia diante deles. Aqui está uma provação da fé deles. O método prescrito parecia improvável que desse o resultado esperado, e certamente iria expô-los ao escárnio diário dos inimigos.
c.    Alcançando promessas (v. 33).
É a fé que nos dá um interesse pelas promessas; é pela fé que recebemos o conforto das promessas; é pela fé que somos preparadas a esperar pelas promessas, e a recebê-las no tempo devido.
d.    Apagando a força do fogo (v. 34).
Assim fizeram os dois rapazes, aliás, vencedores poderosos. Sua fé em Deus os expôs a fornalha que Nabucodonosor havia preparado, e a fé deles os sustentaram e produziram aquele poder e a presença de Deus na fornalha que apagou a violência do fogo, de modo que nem o cheiro de fumaça ficou neles. Nunca a graça da fé foi provada de forma mais severa, nunca foi exercida de maneira mais nobre, e nunca foi recompensada de forma mais gloriosa, como no caso desses três rapazes.  
e.    Tirando da fraqueza força (v. 34).
Em Isaias 38. 15, 16, nós encontramos Ezequias, crendo na Palavra de Deus, recuperou-se de uma enfermidade mortal, e atribuiu sua recuperação à promessa e ao poder de Deus. É a mesma graça da fé que da fraqueza espiritual ajuda os homens e se recuperarem e a restaurarem as suas forças.


Conclusão: Que mais queremos da fé? Na verdade é só colocá-la em ação e alcançarmos a bênçãos que estão determinadas a nosso respeito, pela fé.